Atlas

O Atlas RL-eye apresenta casos clínicos de Oftalmologia. A qualidade das imagens e dos vídeos, bem como a exaustiva documentação de cada caso clínico, são um poderoso meio para compreender as patologias da retina.

Filtrar
Filtrar

Capítulos


Casos Clínicos

Idade (intervalo)

Tipos de intervenções


Limpar
DOENÇAS DO VÍTREO
Asteroides Hialoides

A hialose asteroide (doença de Benson) é uma doença benigna caracterizada pela presença de múltiplas partículas de cor branca-amarelada, redondas e birrefringentes, compostas essencialmente por fosfato e cálcio, dispersas no vítreo. A sua incidência tem sido estimada em 0,5 %.

A origem da hialose asteroide permanece desconhecida, mas tem sido associada com hipermetropia, diabetes mellitus, hipertensão arterial e hipercolesterolémia.

A hialose asteroide permanece ligada à rede de colagénio vítreo, movendo-se apenas quando esta rede oscila. Têm uma cor dourada sob retroiluminação e branca sob iluminação direta. Esta patologia é geralmente unilateral (75%) e encontrada em doentes com mais de 60 anos de idade.

Por vezes, a análise da retinografia é difícil devido aos numerosos reflexos produzidos pelos corpos hialóides. A angiografia fluoresceínica permite uma melhor visualização em casos difíceis. Na ultrassonografia, a hialose asteroide apresenta-se como depósitos hiperrefletivos na cavidade vítrea e pode dificultar a medição do comprimento axial do globo ocular.

A hialose asteroide raramente afeta a acuidade visual, exceto nos casos em que há um grande envolvimento do vítreo, e nos quais pode estar indicada uma vitrectomia.

Diagnóstico Diferencial

  • Amiloidose
  • Colesterolose

Referências

Basic and Clinical Science Course – 2011-2012 – Section 12 – Retina and Vitreous, American Academy of Opthalmology

Bergren RL, Brown Ge. Duker JS. Prevalence and association of asteroid hyalosis with systemic diseases. Am J Ophthalmol. 1991;111 :289- 293

Fawzi AA, Vo B, Kriwanek R, Ramkumar HL, et al, Asteroid hyalosis in an autopsy population: The University of California at Los Angeles (UCLA) experience. Arch Ophthalmol. 2005 Apr;123(4):486-90

Casos Clínicos