Atlas

O Atlas RL-eye apresenta casos clínicos de Oftalmologia. A qualidade das imagens e dos vídeos, bem como a exaustiva documentação de cada caso clínico, são um poderoso meio para compreender as patologias da retina.

Filtrar
Filtrar

Capítulos


Casos Clínicos

Idade (intervalo)

Tipos de intervenções


Limpar
DOENÇAS DA RETINA PERIFÉRICA
Descolamento da Coroideia

O descolamento da coroideia apresenta-se como uma elevação da retina, lisa, bolhosa, de cor laranja-acastanhada, e que normalmente se estende em 360° na periferia, numa configuração lobular. A ora serrata é visível, sem depressão escleral.

O espaço supracoroideu é normalmente virtual porque a coroideia está em estreita justaposição à esclera. Quando se acumula líquido, o espaço torna-se real e a coroideia é deslocada da sua posição normal. A acumulação de líquido, de tipo seroso ou hemático, pode ocorrer muitas vezes dentro da coroideia por esta ser um tecido esponjoso.

Após a reabsorção do líquido, e como sequela, aparecem linhas de hipertrofia do epitélio pigmentado da retina, chamadas de linhas de Verhoff, que indicam os limites posteriores do descolamento da coroideia.

O descolamento da coroideia pode apresentar-se de duas formas: efusão coroideia e hemorragia da coroideia. Na efusão coroideia, o descolamento seroso envolve a transudação de soro para o espaço supracoroideu. Está associado com a hipotonia ocular aguda, situações pós-cirúrgicas, esclerite posterior, síndroma de Vogt-Koyanagi-Harada, traumatismo, tumores intraoculares e síndroma de efusão uveal. Na hemorragia da coroideia, a rotura de vasos da coroide causa uma hemorragia no espaço supracoroideu. Pode surgir espontaneamente (raro), como consequência de trauma ocular, ou durante e após a cirurgia ocular.

Casos Clínicos