Atlas

O Atlas RL-eye apresenta casos clínicos de Oftalmologia. A qualidade das imagens e dos vídeos, bem como a exaustiva documentação de cada caso clínico, são um poderoso meio para compreender as patologias da retina.

Filtrar
Filtrar

Capítulos


Casos Clínicos

Idade (intervalo)

Tipos de intervenções


Limpar
DOENÇAS DA RETINA PERIFÉRICA
Descolamento Regmatogénio da Retina

O descolamento da retina é a separação da retina neurosensorial do epitélio pigmentado da retina. O descolamento regmatogénio é o tipo de descolamento mais frequente, provocado por uma rasgadura que permite o acesso do vítreo liquefeito ao espaço subretiniano.

O descolamento regmatogénio é geralmente precedido do descolamento do vítreo posterior causando fotópsias e floaters. Os sintomas após o descolamento incluem visão desfocada, metamorfopsias, defeitos no campo visual e/ou perda da visão central.

Os fatores que predispõem a esta doença incluem a alta miopia, afaquia, pseudoafaquia, antecedentes familiares e inflamação.

O exame com lâmpada de fenda revela células em suspensão na cavidade vítrea (sinal de Schaffer), conhecidas como “em pó de tabaco”. A hemorragia no vítreo pode ocorrer como resultado da rotura vascular no sítio da rasgadura. A pressão intraocular frequentemente baixa no olho afetado. A retina recentemente descolada tem um aspeto liso, convexo e com mobilidade. Se não for tratado, ocorre uma reação inflamatória, a vitreorretinopatia proliferativa, causando fibrose, formação de membranas e contração. A retina assume, progressivamente, uma configuração pregueada, dobrada, tensa e sem mobilidade. A vitreorretinopatia proliferativa piora o prognóstico.

O tratamento do descolamento regmatogénio é cirúrgico. A vitrectomia via pars plana é o procedimento mais comum. São identificadas todas as rasgaduras, a tração eliminada e a retina reaplicada. As rasgaduras são seladas com laser e a cavidade vítrea tamponado com gás ou silicone líquido.

O principal fator que determina o prognóstico final é o estado da região macular no momento da cirurgia. O prognóstico é substancialmente melhor se a área macular não se encontrar descolada no momento da cirurgia e quanto menor for o intervalo entre o descolamento e a cirurgia.

Casos Clínicos