Filtrar
Filtrar

Capítulos


Casos Clínicos

Idade (intervalo)

Tipos de intervenções


Limpar
RETINOPATIA DIABÉTICA
Retinopatia Diabética Não-Proliferativa

A diabetes é uma epidemia mundial. Nas últimas décadas tem progredido de uma doença que afeta principalmente as pessoas nos países desenvolvidos, a um fenómeno global. Hoje a retinopatia diabética é a maior causa de cegueira em doentes adultos.

O olho é um dos alvos desta doença multissistémica. A retinopatia diabética não é mais do que o compromisso da microcirculação. A exposição à hiperglicémia determina um número de alterações bioquímicas e consequentemente histológicas. Inicialmente, a perda seletiva de pericitos, espessamento da membrana basal, bem como um diverso número de alterações hematológicas, geram...

A diabetes é uma epidemia mundial. Nas últimas décadas tem progredido de uma doença que afeta principalmente as pessoas nos países desenvolvidos, a um fenómeno global. Hoje a retinopatia diabética é a maior causa de cegueira em doentes adultos.

O olho é um dos alvos desta doença multissistémica. A retinopatia diabética não é mais do que o compromisso da microcirculação. A exposição à hiperglicémia determina um número de alterações bioquímicas e consequentemente histológicas. Inicialmente, a perda seletiva de pericitos, espessamento da membrana basal, bem como um diverso número de alterações hematológicas, geram oclusão capilar, formação de microaneurismas, dilatação e estreitamento das veias da retina e isquemia retiniana.

Um compromisso da função da barreira endotelial origina um derrame vascular, causando edema retiniano e formação de exsudatos duros. Áreas de isquemia retiniana geram fatores vasoproliferativos (principalmente fator de crescimento do endotélio vascular-VEGF) que pode estimular o crescimento de neovasos.

De acordo com as características do fundo ocular, a retinopatia diabética pode ser classificada em não-proliferativa e proliferativa, baseada na presença de neovascularização. A escala de classificação geralmente usada é a International Clinical Diabetic Retinopathy Disease Severity Scale:

Sem retinopatia aparente: sem alterações

                Retinopatia Diabética não-proliferativa ligeira (RDPN): só microaneurismas

                Moderada (RDPN): mais do que microaneurismas

                Grave RDNP:

                               Uma das seguintes condições:

  • Mais do que 20 hemorragias intrarretinianas em cada um dos 4 quadrantes
  • Estreitamento venoso definitivo em 2 ou mais quadrantes
  • Anomalias microvasculares intrarretinianas proeminentes (IRMA) em pelo menos 1 quadrante

                               Sem sinais de retinopatia proliferativa

                Retinopatia Diabética Proliferativa:

                               Uma ou mais das seguintes condições:

  • Neovascularização
  • Hemorragia vítrea/Pré-retiniana

A perda de visão nos doentes diabéticos pode ter várias causas: edema macular, isquemia macular e sequelas da neovascularização, por isquemia induzida.

O tratamento médico tem um papel primordial na RDP. O controlo da glicémia (a hemoglobina glicada - HbA1c - deve situar-se entre 5,5-6,5% segundo a Academia Americana de Endocrinologia) e o controlo da pressão arterial são fundamentais para um bom resultado.

A fotocoagulação é utilizada em doentes com grave retinopatia diabética não-proliferativa e proliferativa. Ajuda a destruir as áreas isquémicas da retina e reduz a produção dos fatores vasoproliferativos. Está, no entanto, associado a alguns efeitos secundários: perda de campo visual, discromatopsia e diminuição da visão noturna. Pode exacerbar o edema macular. A fotocoagulação da retina deve, no entanto ser criteriosamente utilizada e o edema macular, se possível, tratado antes da fotocoagulação.

O edema macular é uma complicação séria da permeabilidade vascular aumentada. Pode ser caracterizado clinicamente como focal, multifocal e difuso. O conceito de edema macular clinicamente significativo (EMCS) foi introduzido pela primeira vez no Early Treatment Diabetic Retinopathy Study (ETDRS).

O EMCS é definido como o edema da retina a menos de 500 µm da fóvea, exsudatos duros a menos de 500 µm da fóvea quando associados a edema retiniano, ou área de edema retiniano igual ou superior a uma área de disco ótico, localizada a menos de 1 diâmetro de disco ótico da fóvea.

Os estudos do ETDRS mostram uma melhoria da visão nos doentes com EMCS submetidos a laser focal (50% na redução do risco na duplicação do ângulo visual). Os agentes anti-VEGF têm vindo a ser utilizados no tratamento de alguns casos. O EMCS pode ser exacerbado pela PRP ou cirurgia da catarata e, por isso, o seu tratamento deve ter precedência.

A maculopatia isquémica é caracterizada por um aumento do diâmetro da zona avascular foveal e também pela irregularidade dos seus limites. A angiografia fluoresceínica permite o diagnóstico definitivo. Não há nenhum tratamento comprovado para a maculopatia isquémica.

[Ler mais] [Ler menos]
Casos Clínicos